"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Os médicos cubanos que viriam ou virão ao Brasil não são médicos formados na ELAM


Estive em Cuba há duas semanas onde conheci uma jovem diplomata cubana (formada em Economia c/pós-graduação em Relações Internacionais), que nos explicou que o conteúdo das universidades em Cuba, em todos os cursos, há muitos anos, é baseado no conteúdo programático de universidades da Espanha. São realizados convênios e com isso, inclusive o material didático é o mesmo. Dessa maneira eles mantiveram a atualização do conteúdo mesmo sob o bloqueio.

Do ponto de vista da metodologia, a aplicada no curso de medicina mas também em outros cursos é construtivista (portanto, bem menos expositiva) e de fato estimula a experiência profissional na prestação de serviços desde o início do curso, também vi isso lá. No curso de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde, aqui em Brasília, é utilizado um método parecido e lembro que durante um bom tempo houve um embate com os docentes da UnB (e mesmo alunos) que consideravam o método falho. Isso por que, por exemplo, alunos da ESCS desde o 1º ano são orientados a atuarem como observadores ou com tutoria nos hospitais (e não somente no final do curso). Isso faz com que os alunos pareçam (e são) inexperientes perto dos que estão cumprindo estágio em nível avançado. Não sei como está agora esse debate por aqui, mas em Cuba ficou claro, que até mesmo em estudantes norte-americanos (tem um grupo se formando lá agora), o método aliado à experiência de atuarem em hospitais cubanos, sob princípios humanistas e valores que estão sedimentados na cultura cubana (como o inegável compromisso com a solidariedade), contamina todos os recém-formados com o desejo de, prioritariamente, se doarem como médicos à missão de salvar vidas.

---------------------------------------------------------------------------------

Os médicos cubanos que iriam ou irão vir ao Brasil não são médicos formados na ELAM

Fonte: Maria Frô

Por Maria Leite*


Os médicos cubanos que iriam ou irão vir ao Brasil não eram médicos da ELAM.

Os médicos da ELAM não são cubanos. São médicos formados em Cuba, de diversos países, com todos os gastos por conta do estado cubano, de quem recebem moradia, livros, estudo e a ajuda para gastos em dinheiro (bolsa).

Os médicos brasileiros, formados na ELAM, para exercer a medicina no Brasil, tem e terão de fazer exame de revalidação e não se incluem nesses 6000, que viriam ao Brasil, através de um convênio, não trabalhar por conta própria, mas dentro do que estabelecer o contrato.

Em Cuba, existe desde o ano 2000 o conceito de microuniversidade e todos os profissionais, não apenas médicos se formam em serviço. Ou seja, a partir do segundo ano o aluno já trabalha na sua futura profissão, sob orientação de um tutor.

Terceira Revolução Educacional em Cuba é parte de um processo de transformação que envolve vários subsistemas, dentre eles a Formação e o Aperfeiçoamento do Pessoal Pedagógico e a Formação de Médicos, que tem sua base nas experiências de formação emergente que existe em Cuba desde a campanha de Alfabetização dos anos 60. Cada centro é convertido em microuniversidade e as sedes universitárias congregam os professores das universidades e adjuntos. Uma microuniversidade é uma escola, mas também pode ser um hospital, uma fábrica ou uma oficina, porque o conceito de universalização não é exclusivo da formação do professor ou do médico, o que pressupõe colocar o universitário em contato com a realidade onde se desenvolve fisicamente a profissionalização.

Todos os médicos cubanos, formados nas escolas de medicina em Cuba, após se formarem, tem que trabalhar no serviço social, de 4 anos, que implica trabalhar como médico de família, generalista, em locais no campo, nas montanhas, …, de forma que não exista um cubano sem assistência de médicos. Alguns entre os formados vão fazer o serviço social em outros países como a Venezuela e depois ao acabar o serviço social voltam a Cuba para fazer uma especialidade médica, se quiserem, ou seguem como generalistas.”

“Descartamos buscar médicos cujo tempo de formação não é reconhecido nos próprios países. A mera formação universitária não garante o exercício da medicina. São necessários cursos de especialização e residência médica.” Como assim? Os alunos formados médicos no Brasil trabalham em hospitais na residência atendendo pacientes, mas ainda assim há uma grande parcela da população que nasce e morre sem ver um médico no Brasil!”. O que publicou o El Pais, não é confiável e quero crer que o governo de Dilma não cairia nesses equívocos.

Padilha, creio eu, não cedeu à chamada por muitos máfia de branco, ao corporativismo de mercenários, que com exceções, são os médicos no Brasil. Ele, na condição de escolhido por Dilma para esse cargo, veio mais uma vez confirmar que de um governo eleito por uma eleição burguesa, por um sistema eleitoral decidido pelo dinheiro, não irá nunca poder ou fazer nada que crie um grande confronto direto com os interesses da burguesia, de onde saem prioritariamente uma maioria de meninos criados com todinho e leite de pera para se tornarem os médicos, para quem vale uma coisa: send me money!

*Maria Leite (LEITE, Maria do Carmo Luiz Caldas) é professora de Física e autora do trabalho sobre a Educação em Cuba: LOS VALIENTES: A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESCOLA SECUNDÁRIA BÁSICA EM CUBA

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail