"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

segunda-feira, 17 de outubro de 2005

Porque vou votar SIM apesar dos erros de avaliação da campanha

Por Homero de Souza Jr*

Voto SIM, por convicção e consciência, mas quero registrar:

1) A campanha do SIM na TV e rádio é uma bosta, mais fedida do que a do NÃO que, pelo menos, apela de maneira EFICAZ aos mais baixos instintos do ser humano. Descobriu como apelar aos instintos animalescos que subsistem e estão sempre prontos a aflorar à superfície de qualquer sociedade supostamente civilizada e em qualquer pessoa. Estamos AINDA mais próximos da besta do que supõe nossa arrogância supostamente civilizada. A força sedutora do lado negro da força e da barbárie é muito forte ainda entre nós. Parece que pode mostrar ser ainda mais forte. Encarar esse fato de frente fará bem a todos nós.

2) A campanha do SIM parece o paraíso das ONGs: apartidária,"politicamente correta", despolitizada, sem a presença desses representantes da podridrão: políticos e partidos. Só aparecem artistas e os ongueiros bem intencionados, imbecilmente "politicamente corretos", cretinamente apartidários e falsamente "apolíticos". É bem possível que sifu. Porque não tem cara, alma, paixão, caráter, não tem apelo, não passa verdade. Na hipótese de vitórias do NÃO teremos de passar em revista muitos conceitos fundantes deste estágio do espaço público, dentre os quais, "sociedade civil organizada" como sinônimo de estágio superior da sociedade, apartidária e apolítica.

3) Nos últimos dias, a rejeição ao SIM adquiriu um caráter de NÃO ao Estado, ao governo e ao PT. Isso tem alimentado o NÃO e tem consequências agora e ao longo de 2006. É o que primeiro me ocorre sobre o quase day after. Ainda assim, votarei SIM. Prefiro não fazer um acordo com o diabo.

* Homero de Souza Jr é consultor da Câmara dos Deputados.

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail