"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

quinta-feira, 5 de julho de 2007

De como ser jornalista na era da informação

Desesperar jamais
Pode parecer inevitável, mas existe sempre a opção "não desesperar". Aperte o botão!


por Soninha Francine



Já se passaram dez dias do prazo de entrega do texto. São 11h20 da noite, e o que eu mais queria agora era dormir, mas não vai dar. Também preciso escrever alguma coisa no blog, que há dias não vê um texto novo. E ler aquele e-mail urgente, que chegou semana passada. Não posso deixar de imprimir aquele artigo sobre antidepressivos antes da gravação do programa de amanhã.

Ainda não marquei o almoço que prometi para o Rodrigo. Tomara que ele ainda se lembre das coisas que queria me contar. O cartão com o telefone estava em cima da mesa. Quando é que vou terminar de arrumar as gavetas do escritório? Ah, e não posso deixar de escrever um recado pedindo para a faxineira não mexer nas pilhas de papel no chão, por misericórdia.

Fiquei devendo para a síndica aquela pesquisa sobre a coleta seletiva aqui no bairro. Se eu não preparar hoje a aula de quinta-feira, não preparo mais amanhã e depois não vai sobrar um mísero espaço de tempo. Tenho de marcar logo o dentista antes que o dente quebrado não tenha mais conserto. Será que eu já mandei tudo o que precisava para o contador fazer o imposto de renda?

Nossa, essa parede está horrível. Não sei o que faço primeiro: mandar pintar, trocar o piso ou comprar o armário novo. Será que eu mando fazer uma cortina ou instalar uma persiana? É ridículo ter isso tudo de colar se eu não uso nem metade. No próximo bazar do centro budista, já tenho o que doar.

Anotações mentais: ligar para Heloísa (sobre empréstimo), passar as fotos da câmera para o computador, colocar a conta do telefone em débito automático. Pedir roupas usadas para as meninas do projeto de Belo Horizonte customizarem.

Dúvidas: tomei ou não tomei o remédio da homeopatia? A que horas mesmo começa a reunião amanhã? (Onde será que eu anotei o endereço?) Faltam só 200 quilômetros para a primeira revisão da moto.

Já passa de 11h40, e perdi o sono. Eu disse para o pessoal da VIDA SIMPLES que ia fazer uma coluna sobre viagens, mas vou deixar para o mês que vem. Prefiro escrever sobre a minha maior necessidade no momento: não desesperar. As gavetas, os papéis, as contas, os e-mails, as paredes e janelas, as filhas e o cachorro, a grana, o trabalho, os amigos... Embora pareçam se encontrar todos em uma festa ruidosa dentro da minha cabeça, cada um tem sua hora e lugar. Calma.

O coração fica apertado de aflição, o tempo parece estreito como uma porta entreaberta, mas cada problema tem sua hora e sua vez. Agora só preciso ter uma preocupação: escrever. Depois, dormir. Depois, resolver uma coisa de cada vez.

Por mais complicada e difícil que seja a vida, a opção não desesperar está sempre presente no menu. Vou apertar esse botão e fazer o que for possível. Daqui a um, dois, dez ou 90 dias, estarei deitada na rede lendo um livro e todos os motivos para o desespero serão fantasmas distantes. Por que me deixar assombrar por eles agora?

Não desesperar. A vida não fica mais simples, mas fica menos difícil.

----------------------------------------------------------

Soninha Francine, jornalista e apresentadora é outra pessoa quando consegue aplicar os conselhos que dá.

Fonte deste artigo: Revista Vida Simples

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail