"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

O futuro da Alba com a saída de Fidel

Depois de passar um tempo recorde sem atualizar o blog, gostaria de fazer uma reflexão sobre a decisão que Fidel acaba de tomar e, a despeito do nosso país dar mais importância ao resultado do "paredão do BBB", acredito que nenhum país no mundo poderá ignorar as mudanças que virão a partir disto. Fidel Castro cumpriu com seu papel e soube, bem ou mal, sustentar um país durante anos num governo que muitos chamam "ditadura" mas que alimentou e educou 100% de seu povo e tem sido por anos seguidos um celeiro de campeões olímpicos, tudo sob a opressão de um embargo cruel e desumano imposto pelos EUA. O reflexo dessa mudança também atingirá diretamente a Alba e o projeto de construir uma América mais justa. Sobre Fidel, reproduzo abaixo um excelente texto de um grande amigo com quem compartilho das idéias que se seguem:

"Uma parcela da esquerda sente-se vexada porque não é tão ética quanto propala; outra, porque o socialismo faliu, exceto em Cuba. As carpideiras da falência do socialismo não se perguntam por suas causas, nem denunciam o fracasso do capitalismo para os 2/3 da humanidade que, segundo a ONU, vivem abaixo da linha da pobreza. Assim, abraçam o neoliberalismo sem culpa. E o adornam com o eufemismo de “democracia”, embora ele acentue a desigualdade mundial e negue direitos humanos cultuando a idolatria do dinheiro e das armas. (...) Fidel é um homem de esquerda. Mas não fez uma revolução para implantar o socialismo. Motivou-o livrar Cuba da ditadura de Batista, resgatar a independência e libertar o povo da miséria. Em visita aos EUA na época, foi ovacionado nas avenidas de Nova York. A elite cubana resistiu a ceder os anéis para que toda a população tivesse dedos. Apoiada pela Casa Branca, instaurou o terror, empenhada em deter as reformas agrária e urbana e a campanha nacional de alfabetização. Kennedy, festejado como baluarte da democracia, enviou 10 mil mercenários para invadir Cuba pela Baía dos Porcos. Foram derrotados. (...) Cuba é o único país da América Latina que logrou universalizar a justiça social. Toda a população de 11 milhões de habitantes goza dos direitos de acesso gratuito à saúde e à educação. Para quem vive na miséria a cidadania dos cubanos é invejável. Para quem é classe média, Cuba é o purgatório; para quem é rico, o inferno. Só suporta viver na Ilha quem tem consciência solidária. No trajeto do aeroporto de Havana ao centro da cidade há um outdoor com o retrato de uma criança e a frase: “Esta noite 200 milhões de crianças dormirão nas ruas do mundo. Nenhuma delas é cubana.” Algum outro país merece semelhante cartaz à porta de entrada? (...) A simples menção da palavra Cuba provoca arrepios nos espíritos reacionários. Cobram da Ilha democracia, como se isso que predomina em nossos países fosse modelo de alguma coisa. Ora, por que não exigem que, primeiro, o EUA suspenda o bloqueio e feche seu campo de concentração em Guantánamo? (...) O que acontecerá quando Fidel morrer, ele que sobrevive a 47 anos de esforços terroristas da CIA para eliminá-lo? O bom humor dos cubanos tem a resposta na ponta da língua: “Como pessoas civilizadas, primeiro trataremos de enterrar o Comandante.” Mas o socialismo descerá à tumba com o seu caixão? Cuba prepara-se para o período pós-Fidel. Mas não como querem os cubanos de Miami. Como 70% da população nasceu no período revolucionário, não há indícios de anseio popular pela volta ao capitalismo. Cuba não quer como futuro o presente de tantas nações, onde a opulência convive com o narcotráfico, a miséria, o desemprego e o sucateamento da saúde e da educação(...)" Frei Betto, em agosto de 2006

Em 2005, Hugo Chávez e Fidel Castro se reuniram em Havana para firmar um plano estratégico para o início da Alba, a Alternativa Bolivariana para as Américas. O que no início era apenas um sonho, hoje congrega quatro países (Bolívia, Venezuela, Cuba, Nicarágua) e está em negociação com Equador e outros que estudam suas propostas e pretendem se integrar ao sonho de uma aliança solidária entre os povos latinos do continente americano. O plano inicialmente se destinava a garantir uma melhor complementação produtiva baseada na racionalidade com o aproveitamento de vantagens existentes entre os países envolvidos, além de economia de recursos, ampliação do emprego útil, acesso a mercados e outras considerações, potencializando as forças dos países integrantes, próximo do que ocorre hoje na União Européia porém, de uma forma historicamente inédita e diferente. O sonho de Fidel e Chávez não tem o foco na economia, mas sim nas pessoas.

Em janeiro deste ano, durante a reunião da cúpula em Caracas, foi inaugurado o Banco Alba, uma instituição que visa contribuir para a independência financeira dos países, para que não precisem mais de instituições como o FMI (Fundo Monetário Internacional), por exemplo. A Alba, desde sua concepção, é uma proposta que se difere da Alca, porque esta última responde aos interesses do capital transnacional e persegue a liberalização absoluta de bens e serviços. A Alba enfatiza a luta contra a pobreza e a exclusão social, sendo esse seu maior objetivo. Economicamente, ela se baseia em mecanismos que criem vantagens cooperativas para reduzir as disparidades existentes entre os países integrantes utilizando-se de fundos compensatórios. Sua intenção é identificar os espaços de interesse comum que promovam a real integração latino-americana. O Brasil, apenas por essa concepção inicial, já se sentiria excluído do processo, ainda que Lula demonstre um interesse disfarçado no assunto. Nós, os brasileiros, não nos sentimos hermanos de nossos vizinhos, não nos enxergamos como cucarachas, temos uma postura emergente, somos americanizados (ou europeizados) e talvez por nosso tamanho, não nos identificamos com os "pobres". O Brasil está para a América Latina como Santa Cruz de La Sierra está para a Bolívia. Somos silenciosamente separatistas, com exceção da hora de optar por turismo barato. Desde a derrocada econômica, a Argentina por exemplo, passou a ser invadida por turistas brasileiros.

Historicamente, as conseqüências da política imperialista para a América Latina e Caribe, têm sido muitas: entrega das empresas estatais para o capital transnacional; negação e supressão de direitos trabalhistas; privatização de serviços de saúde, educação, habitação e seguridade social. Os críticos - de direita e esquerda - adiantam que a Alba não dará certo porque foi iniciada por países com líderes controversos e seu nome, bolivariana, já é excludente. Mas devemos lembrar que a União Européia começou com o acordo do carvão e do aço (entre França e Alemanha).

Apesar do mercado financeiro e setores empresariais, influenciados pelos meios de comunicação, não estarem nem um pouco interessados nesse tipo de integração, será importante para a continuidade da Alba, que Raúl Castro consiga dar andamento ao projeto que Fidel começou com Chavéz, nessa que pode ser a grande esperança de uma América Latina mais justa. Mas, como bem lembra Frei Betto em seu texto, ele terá que enfrentar a elite latino-americana e até mundial que pretende continuar concentrando seus anéis em poucos dedos.

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail