"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

terça-feira, 10 de setembro de 2013

René González: Cuba com fitas amarelas em 12 de Setembro #EUA #ONU #Obamagivefive #Freethecubanfive

Pronunciamento de René González, herói da luta contra o terrorismo da República de Cuba, na TV em 03 de setembro de 2013:






Queridos compatriotas:
Primeiro de tudo peço desculpas por interrompê-los neste momento. Eu sei o que significa este espaço para a família cubana e prometo que serei breve, mas é necessário que esse discurso atinja o público mais amplo possível.
Como se sabe, no próximo dia 12 de setembro se cumprem 15 anos de nossas prisões. Todos os anos é feita uma jornada tanto nacional como internacional para exigir que tenhamos justiça, mas queremos que a jornada a ser realizada este ano, de 05 de setembro a 06 de outubro seja uma jornada única, uma jornada especial, protagonizada por vocês.
Quinze anos da vida de um ser humano é um longo período de tempo. As crianças crescem, tornam-se homens, adolescentes, familiares morrem e já não estão mais entre nós, e parte da população cubana nasceu nos últimos 15 anos.
Eu cumpri minha sentença na íntegra, mas temos que impedir que isso aconteça com os meus quatro irmãos por tudo que isso significa, mas é duro dizer, temos que lembrar que para Gerardo isso significa que, se os planos do governo dos EUA forem atendidos, ele morrerá em cárcere.
Durante estes anos tivemos o amor do povo cubano como protagonista. Esse carinho se manifestou de todas as formas possíveis, em cartas, em mensagens, nos desenhos das crianças e esse é o amor que queremos neste momento como protagonista neste dia.
Já tive a oportunidade de senti-lo, experimentá-lo, senti-lo, experimentá-lo nas ruas de Cuba, em todas as formas possíveis e em qualquer local da ilha e esse é o amor que nós estamos pedindo para que se manifeste nesta ocasião, onde você poderá fazer-lo do jeito que quiserem, com toda a diversidade que nos caracteriza como cubanos e da melhor maneira que cada um considera em sua sala de aula, em seu local de trabalho, no seu bairro, no seu projeto comunitário, o que puder ser capaz de manifestar.
Para nossa jornada estão sendo preparadas iniciativas a serem anunciadas, mas acreditamos que o mais importante é que cada um de vocês se junte a estas iniciativas em seu próprio caminho, da forma que considere poder fazê-lo.
Eu só tenho uma exortação pessoal para o povo, o que se exige de uma história. Eu quero que este 12 de setembro no país ocorra como um terremoto: um belo terremoto, um terremoto de amor, uma mensagem do povo cubano ao povo americano por meio de um símbolo que para o povo americano é um símbolo de amor, é um símbolo do carinho e um símbolo que eles irão entender em seu idioma, e que é o símbolo da fita amarela.
Eu quero que em 12 de setembro o país seja preenchido com fitas amarelas e que qualquer visitante ou correspondente estrangeiro que esteja na ilha não possa ignorar. Que neste dia, a ilha de Cuba se agite e apareçam fitas amarelas nas árvores, nas varandas, nas pessoas, como lhes ocorrer que se possa usá-las, em animais de estimação, como vocês decidirem que essas fitas amarelas encham o país e que não possa ser ignorado, não possa ser deixado de informar ao mundo que o povo cubano está à espera de quatro de seus filhos, que estão presos nos Estados Unidos.
A fita amarela é um símbolo que entrou para a cultura americana, que começou durante a Guerra Civil inglesa, quando as esposas dos soldados os esperavam com fitas amarelas.
Logo isso foi transmitido para a Guerra Civil nos Estados Unidos e ao longo do tempo, com seus altos e baixos, foi-se modificando o seu significado até que nos anos setenta do século passado, uma canção de época voltou a surgir na cultura norte-americana.
A canção é uma bela história de um prisioneiro que está saindo da prisão e que a única coisa que ele pede à sua noiva é que, se ela ainda o ama, coloque uma fita amarela em uma árvore. Por meio da carta, da letra da canção se desenrola a ansiedade do homem que vai sair da cadeia e está à espera de saber se na árvore terá a fita amarela e quando ele chega ao lugar o que ele vê na árvore são uma centena de fitas amarelas.
A partir desse momento a fita se torna um símbolo para o norte-americano que espera por alguém em uma missão no exterior, que espera um soldado, que espera um ente querido e esta é a mensagem que queremos que você faça chegar ao povo americano: que saibam que o povo cubano está à espera de quatro de seus filhos. Que não é só a família, que não é só quem conhecemos pessoalmente, mas que há um país, há um povo que está esperando por quatro de seus filhos presos injustamente nos Estados Unidos.
Contamos com vocês para isso, nós confiamos em vocês. Queremos que seja uma jornada diferente e também queremos que seja a última jornada e eu acho que este é o momento de trazê-los para casa e para isso contamos com o apoio de vocês.
Vídeo emocionante com a canção que se torna agora o símbolo da jornada e luta pela libertação dos 5 Heróis Cubanos, com participação de artistas cubanos, de René Gonzalez, amigos e familiares:

Tie a yellow ribbon round the old oak tree

(Amarre uma fita amarela em torno do velho carvalho)



Pelo facebook, acesse: https://www.facebook.com/4Cuban5

Fonte: La Santa Mabisa

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail