"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Por que no te calas?


Por que no te calas, Dom?
Nem te envergonhas das civilizações
que exterminaste?
Incas, Maias e Astecas...
Sabedorias acima da alguma
que mal soubeste herdar dos 8 séculos
de pacientes mestres árabes.
Nada aprendes!


Por que não te calas, Senhor?
Nem te arrependes dos tantos de mim
que espoliaste da Patagônia à Califórnia?
Pirata, mercenário, usurpador:
acaso não te acordasdas tantas que estupraste?
Da gente que seviciaste?
Pelos povos que usurpas
têem América,
Ásia, África,
por que não te calas?


A quem te arrogas,
se sequer és dotado da galantaria
que a Quixote serviu?
Que ficção é essa
que crias para ti,
reizete de merda?


De Guernica
és o lado que o Mestre
sequer retratou,
pois se nunca estiveste
no desespero de tua
própria gente,
por quem te crês?


Cala-te e
devolve minha prata,
reponha meu ouro
bucaneiro arrogante!


Cala-te e
reconheça tua insignificância
que de majestosa só tem
a expressão da falência
de uma instituição anacrônica,
tardia em minha história.


A quantos ainda crês
como teus súditos?
Aqui nada és além de mero decorativo,
ridícula memória da vergonha
de um império há muito falido.


Por que não te calas, hombre?




Por Raul Longo

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail