"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

É golpe

FOLHA DE SÃO PAULO - O que está em andamento na Bolívia é uma tentativa de golpe
contra o presidente Evo Morales. Segue uma linha ideológica e táticas
parecidas às que levaram ao golpe no Chile, em 1973, contra o governo de
Salvador Allende, tão constitucional e legítimo quanto o de Evo Morales.
Os bloqueios agora adotados nos Departamentos são a cópia de locautes de
caminhoneiros que ajudaram a sitiar o governo Allende.
Outra semelhança: Allende elegeu-se presidente, em 1970, com pouco mais de
um terço dos votos (36%). Mas, três anos depois, sua Unidade Popular saltou
para 44%, em pleito legislativo, o que destruiu qualquer expectativa da
direita de vencê-lo política ou eleitoralmente. Foi na marra mesmo, o que deu
origem a um dos mais brutais regimes políticos de uma América Latina
habituada à brutalidade.
Evo Morales também se elegeu com menos votos do que obteve agora no chamado
referendo revogatório, o que demonstra um grau de aprovação popular até
surpreendente para as dificuldades que o governo enfrentou desde o primeiro
dia, em parte por seus erros e em parte pelo cerco dos adversários.
A luta dos Departamentos pela autonomia, eixo da crise, é também legítima e
precede Evo Morales.
Mas passou a ser apenas um biombo para encobrir as verdadeiras intenções,
cristalinamente reveladas a Flávia Marreiro, desta Folha, por Jorge Chávez,
líder "cívico" de Tarija, um dos Departamentos rebelados contra o governo
central: "Se precisar, vai ter sangue. É preciso conter o comunismo e
derrubar o governo deste índio infeliz".
Cena mais explícita de hidrofobia e racismo, impossível. Nem o governo nem a
oposição no Brasil têm direito ao silêncio, escondendo-se um na
não-ingerência em assuntos internos e outra em preconceitos similares.

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail