"Se não estás prevenido ante os meios de comunicação, te farão amar o opressor e odiar o oprimido" Malcom X

terça-feira, 24 de maio de 2011

Como age a PM de Sérgio Cabral

Por Mário Augusto Jakobskind


Na quinta-feira da semana que passou, dia 19 de maio, o centro do Rio de Janeiro foi palco de um fato lamentável e que fez lembrar os anos de triste memória da época da ditadura. Quatro viaturas da PM, uma da Polícia Civil cercaram a entrada da ABI, na rua Araújo Porto Alegre 71. Os soldados, cerca de 10, sob o comando do Major Levy, ocuparam o local “preventivamente”, segundo o militar. 
No auditório do 9º andar da ABI realizava-se um ato público em solidariedade aos 13 presos na manifestação contra a presença do Presidente Barack Obama, ocorrida em março último. Alguém, provavelmente um agente provocador, jogou um coquetel Molotov em um segurança do Consulado estadunidense, o que serviu de pretexto para a violência das prisões.
No ato de solidariedade aos presos, que estão respondendo processo, estavam presentes representantes de movimentos sociais e parlamentares, entre os quais o vereador niteroiense Renatinho, do PSOL. E é por aí que se pode entender o ato intimidatório da PM, cujo comandante supremo é o governador Sérgio Cabral. A força estadual de segurança quis dar o recado aos movimentos. Agiram como na época da ditadura.
O presidente da ABI, Azêdo e este conselheiro deixaram claro a indignação no diálogo que mantiveram com os militares que ocupavam a entrada da entidade, para saber de onde vinha à ordem para a operação. Disseram em alto e bom som que o que estava acontecendo repetia tristemente a época da ditadura. Azêdo comunicou-se com o governador manifestando o seu desagravo.
Enquanto isso, o Major Levy disse a este conselheiro que poderia deslocar as viaturas e os soldados para o outro lado da rua, proposta repudiada e que na verdade tentava apenas atenuar a intimidação, mas que em essência não resolveria o impasse. O Major Levy, alegando que apenas “obedecia ordens” disse que a “missão” que cumpria naquele momento era “apenas preventiva e não de repressão”.
Sergio Cabral ao receber o protesto do presidente da ABI ordenou ao secretário de Segurança Mariano Beltrame e ao comandante da PM, Coronel Paulo Sérgio, que resolvessem a questão. Os contingentes da PM se retiraram da entrada da ABI, mas duas viaturas permaneceram do outro lado da rua até o fim do ato de solidariedade, mantendo, portanto a intimidação.
O acontecido ilustra bem a forma com que o Poder Público do Estado do Rio lida com os movimentos sociais. A responsabilidade recai sobre o Governador Sérgio Cabral e de alguma forma demonstra que muitas vezes acaba até prevalecendo um poder paralelo na PM.
Se o Governador ordenou, se é que ordenou, o fim do constrangimento que ocorria na entrada da Casa dos Jornalistas, de quem veio ordem de continuar a intimidação aos movimentos sociais com viaturas em frente à sede da ABI?
Ficou muito claro que o Governo do Estado, em função dos megaeventos esportivos que se aproximam a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, pretende seguir intimidando os movimentos sociais, de forma a evitar que se mobilizem e protestem pacificamente, como aconteceu no 9ºandar da ABI.
Cabral conta com o silêncio da mídia de mercado, que mais uma vez simplesmente ignorou a ação da PM que fez lembrar os tristes anos da ditadura imperante no Brasil após a derrubada pela força do Presidente constitucional João Goulart. A imprensa foi informada sobre o fato, mas nenhum jornal, televisão ou rádio registrou a violência institucional.
Em compensação, passados mais de três meses que ladrões roubarão letreiros indicativos de nomes de fundadores e associados da ABI, na mesma entrada da sede da entidade dos jornalistas, a polícia até hoje não identificou os responsáveis pela ação. Possivelmente como a polícia, militar ou civil, prefere se ocupar na intimidação aos movimentos sociais, desvendar roubos como no saguão de entrada fica muito mais difícil, até impossível.

Postar um comentário

Feed do Substantivu Commune

Siga-nos por E-mail